Saúde é custo ou investimento? Executivos se dividem sobre como o tema é considerado nas empresas

publicado 07/11/2019 09h57, última modificação 08/11/2019 11h47
Rio de Janeiro – Sondagem feita durante reunião da Amcham revela que 51% acham que a Saúde é investimento, mas 49% acham que é custo
Evento discutiu como as corporações devem lidar com a saúde dos colaboradores.jpg

Evento discutiu como as corporações devem lidar com a saúde dos colaboradores

Na enquete em tempo real realizada com 47 participantes sobre como a Saúde é vista em suas empresas, pouco mais da metade (51,1%) responderam que ela é vista como investimento. Para a outra metade (48,9%), ela é considerada custo. Esse foi uma das questões levantadas na reunião conjunta dos nossos Comitês de Recursos Humanos e Saúde no dia 29/10.

O debate sobre Saúde foi conduzido por Cláudia Marchi, CHRO & partner da Degoothi Consulting, e Gilberto Ururahy, diretor-presidente da MedRio Check-up. Entre os temas abordados, estão como organizações competitivas têm a preocupação com o bem-estar e saudabilidade dos colaboradores em seu DNA. No entanto, os investimentos em saúde podem representar um dos maiores gastos, ficando atrás apenas da folha de pagamento.

Ururahy defende a saúde como investimento: “o colaborador é o maior ativo da empresa – ele que faz a locomotiva andar, então é de suma importância prezar pela prevenção”.

Ele ainda destacou que a população brasileira sofre com uma alta de doenças crônicas que, somadas ao estresse cotidiano, podem acarretar problemas ainda mais graves. “A primeira preocupação da empresa deve ser no exame admissional e, ao longo do tempo, é seu dever estimular hábitos saudáveis entre os colaboradores. Assim, o número de doenças diminui e, consequentemente, a organização economiza”, concluiu.

“Precisamos fazer com que a pauta da saúde deixe de ser restrita à área de Recursos Humanos e passe a ser comum a todos os outros setores da empresa”, observou Marchi. “Ações pontuais, como a do Outubro Rosa, são super bem-vindas, mas a saúde não pode ser resumida a campanhas sazonais; ela deve ser uma preocupação diária”, ressaltou a especialista, que possui anos de experiência no ramo de health care.

TENDÊNCIA

Ao final do circuito de palestras, a plateia foi convidada a interagir em uma enquete online sobre como as empresas em que atuam percebem a saúde. Através de uma plataforma digital, os presentes responderam como o tema é tratado pelas companhias. As estatísticas abaixo fizeram parte da dinâmica do evento e revelam que a saúde é uma pauta em crescimento no dia a dia das organizações.