Seu negócio precisa de agilidade? Uma receita em 4 passos e 3 princípios básicos

publicado 15/02/2019 14h18, última modificação 19/02/2019 11h46
Brasil – Em webinar para mil executivos, líder da IBM trouxe princípios e valores essenciais para conquistar agilidade
Metodo_ageis2.jpg

Diante da velocidade das transformações sociais e econômico, agilidade virou um ativo de qualquer negócio. O desafio atual é implementar um novo modelo cultural e comportamental que crie segurança para que as pessoas possam trabalhar de maneira diferente, segundo Rodrigo Giaffredo, Líder de Agile Transformation no CTO da IBM América Latina. Ele foi recordista em audiência em webinar Amcham, reunindo mil participantes. Disponível na integra no Amcham Connect.  

 

Veja: Metodologias ágeis: descubra como preparar sua organização para transformar seu trabalho

Para Rodrigo Giaffredo é importante observar se alguns valores estão presentes entre os colaboradores. Como são subjetivos, é difícil de detectá-los à primeira vista. Por isso, ele indicou algumas maneiras de realizar um acessment sobre eles:

1)      Confiança

Existe confiança entre uma equipe quando o líder dá um direcionamento de como deve ser feito um trabalho, e deixa a equipe decidir como ela deve trabalhar.

2)      Abertura

Ter liberdade de divergência entre a liderança e colaboradores é fundamental. Assim, as pessoas se sentem mais à vontade para trazer novas propostas ou novas soluções de trabalho.

3)      Respeito

Envolve a capacidade e a pró-atividade entre uma equipe. Para Giaffredo, é quando o líder não precisa empurrar trabalho ou designar pessoas para tarefas específicas: o próprio time se distribui e ajuda um ao outro.

4)      Coragem

A coragem para fazer experimentos, errar e aprender com erros tem que ser uma característica de todos.

 

Além de ter esses quatro valores, é preciso trabalhar constantemente com três princípios:

1)      Clareza de objetivos e orientação de valor

É importante que as pessoas saibam o porquê estão fazendo algo e perceber o valor do trabalho. Essa reflexão não vale apenas para dentro da equipe e pode ser ampliada para o negócio. O seu cliente ainda precisa daquele serviço ou produto? Por quê?  Fazer essa checagem constantemente, manter a proximidade com o cliente e com a equipe ajuda a alinhar aquilo que possui valor real.

2)      Aprendizagem interativa com correção de curso

Esse conceito envolve aprender constantemente – inclusive com os erros. Constantemente, as equipes de trabalho devem conversar e refletir sobre as últimas entregas: o que foi bom? O que precisa ser melhorado?

Existe um erro que passa dos limites? Respondendo a essa pergunta dos espectadores, Giaffredo lembra que, quanto mais tempo se gasta no planejamento e na aproximação com clientes, menos se erra. Para ele, um erro passa do limite quando é repetido, negligenciado ou escondido durante uma conversa.

3)      Empoderamento das equipes

Esse é um dos principais combustíveis para fomentar a inovação. Empoderar, para Giaffredo, é dar a capacidade de tomada de decisão – com responsabilidade. Ele acredita que, a partir do momento em que a liderança deixa claro o que e porquê fazer, as equipes podem ser empoderadas para decidir como. “Não dá mais para ter heróis. Conseguimos mais resultados com equipes exponenciais do que com indivíduos brilhantes”, lembra.

Quer aprender mais sobre a parte prática das metodologias ágeis? A Amcham realizará um curso de capacitação em São Paulo em abril. São seis dias de imersão no assunto. Para saber mais, acesse aqui.

 

Papel da liderança

Algo essencial para mudar a cultura é a liderança. Durante outra pergunta de um espectador, que se questionou por onde começar essa mudança, ele deixa claro que, se não tiver patrocínio dos líderes, a mudança não acontece. Ele ainda citou o exemplo da IBM para isso – o discurso de transformação partiu da CEO global da companhia, que contratou um líder apenas para entender o trabalho das equipes de tecnologia e estudar como trazer mais agilidade.  “A IBM é um caso de sucesso, que inclui todos os fatores de improbilidade: é empresa centenária, muito hierárquica e orientada a processos, mas tem se transformado a partir de um discurso que parte da CEO global. Houve investimento em uma academia de agilidade, outra área de treinamento preparada para desenvolver pra áreas diversas. Isso foi muito importante pra nós”, relata.