Sua ansiedade aumentou com a quarentena? Experimente o Mindfulness

publicado 22/04/2020 11h02, última modificação 22/04/2020 15h30
São Paulo – Conheça 7 passos simples para começar essa prática hoje mesmo
O principal objetivo do mindfulness é nos treinar para que possamos responder aos desafios do dia-a-dia com mais coragem e acolhimento, segundo Alan Pogrebinschi.jpg

O principal objetivo do mindfulness é nos treinar para que possamos responder aos desafios do dia-a-dia com mais coragem e acolhimento, segundo Alan Pogrebinschi

Com a pandemia do Coronavírus, um conjunto de emoções veio à tona: preocupação com nossos entes queridos, incerteza econômica e com a nossa própria saúde. Uma recente pesquisa divulgada pelo IDEIA Big Data aponta que 60% dos brasileiros usou a palavra "preocupação" para definir o sentimento diante do coronavírus, seguido de ansiedade, com 40%. Nenhum de nós está isento a ter uma crise de ansiedade ou outros transtornos mentais. Com a COVID-19, a todo o momento somos bombardeados com manchetes nada esperançosas, sem contar o volume crescente de notícias falsas.

Pensando nisso, nosso Comitê de Gestão de Pessoas convidou o especialista Alan Pogrebinschi, diretor da Escola de Mindfulness Funcional, para um bate-papo leve sobre Mindfulness Funcional. Trata-se de uma prática que há décadas é praticada e nos últimos anos vem conquistando espaço na vida dos brasileiros e na rotina das organizações.

O Mindfulness Funcional é uma linha de mindfulness baseada em uma escola de psicologia chamada ciência comportamental contextual. “É a habilidade de permanecer presente e responder com um comportamento alinhado aos seus valores mesmo em situações que evocam sentimentos e pensamentos desafiadores”, definiu Alan.

Segundo o especialista, o principal objetivo do mindfulness é nos treinar para que possamos responder aos desafios do dia-a-dia com mais coragem e acolhimento, inclusive nos momentos mais difíceis. Na prática, é ter coragem para permanecer presente mesmo quando estamos em meio à crise e acolhimento, para não brigarmos com nossos pensamentos e sentimentos.

A partir do momento que você deixa de brigar com suas emoções e as aceita, você se torna consciente. E é somente a partir dessa consciência, sendo observador de si mesmo e não juiz, que você se fortalece para tomar decisões assertivas em direção às suas metas para uma vida com mais bem-estar e propósito.

Por falar em propósito, onde anda o seu? “O mindfulness funcional também é dedicado ao indivíduo para clarear e reconhecer os seus valores. É só quando reconhecemos nossos valores é que entendemos o que é realmente importante para nós”, afirmou Alan. A prática permite que sejamos capazes de escolher entre sermos guiados pela mente ou por nossos valores.

 

COMO APLICAR O MINDFULNESS NA GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES?

Um dos benefícios da aplicação do método nas organizações é o aumento da produtividade e inovação. Pesquisas apontam que equipes que contam com essa prática se tornam mais atentos e, consequentemente, apresentam mais foco e ideias assertivas.

“O que diferencia times genuinamente produtivos dos demais é a segurança psicológica, que é a capacidade de uma equipe de poder ter coragem de falar o que é difícil e a capacidade de acolher o outro. Nesse sentido, o mindfulness funcional pode ser aliado das organizações”, pontuou. Para dar aquele empurrão na hora de vendermos esta ideia à alta gestão, ele aconselha: “Se realmente quer ver os frutos da prática, você tem que viver isso: as chances de sucesso são maiores para aqueles que têm uma experiência pessoal e levam às suas empresas”.

Além disso, a prática é válida nas organizações, pois pode ajudar em diversos momentos de conflito. Por exemplo, quando nos sabotamos, duvidando do nosso potencial ou, ainda, para melhorar nossa inteligência emocional frente aos conflitos e reduzir a cobrança e perfeccionismo que são empecilhos à nossa produtividade. Para isso, precisamos acolher ao invés de fugir dos nossos sentimentos e pensamentos.

 

DETOX EMOCIONAL: COMECE EM SETE PASSOS

Durante o webinar, o diretor da Escola de Mindfulness Funcional realizou uma amostra de 10 minutos da prática, que você pode conferir a seguir:

- Sente de forma confortável com os olhos fechados;

- Traga a sua atenção para sensações do seu corpo . Observe a postura do seu corpo, sem precisa mexer em nada, simplesmente trazendo sua consciência para o seu corpo. O que você observa? Calor, frio, tensão, relaxamento? Observe sem julgamento. Está tudo bem;

- Experimente fazer esse exercício de atenção, focando só em uma parte do corpo. Por exemplo, seus pés. O que mais você nota? Talvez algo que te surpreenda e que você não tenha visto antes de focar;

- Aos poucos, mude o foco da sua atenção: atente às suas mãos. Caso se disperse, não se culpe, reconheça que você pode retornar e gentilmente volte a sua atenção;

- Experimente agora levar a sua atenção não a uma parte do seu corpo, mas à sua respiração, somente como testemunha, sem mudar o ritmo, apenas observando a respiração que seu corpo sabe fazer sozinho;

- Agora, tente levar sua atenção aos seus sentimentos, como um observador, sem julgar. Não importa o que esteja acontecendo em seu coração. O que quer que você esteja sentindo permita estar presente, sem fingir ou brigar: aceite e acolha o que está no seu coração agora, por que o que quer seja é parte de você;

- Volte a perceber sua postura, lembrando o ambiente ao seu redor e no seu tempo, retorne.

 

Alan lembra que, no começo, é mais difícil: porém, com a prática, o mindfulness passa a fazer parte da rotina e os benefícios podem ser incontáveis tanto para a sua carreira quanto para vida pessoal. “Nesse início, você precisa se disciplinar a fazer e não adianta se colocar uma meta irreal. Não importa o tempo de dedicação, se você tem 1 ou 5 minutos, é muito melhor que nada. E, à em medida que você vai gostando, vai querendo ampliar o tempo”, alerta.

Com o avanço da tecnologia, atualmente, há muitos aplicativos sobre o tema com práticas guiadas. “Você pode procurar no Play ou Apple Store, existem vários que trabalhar com a prática. Além disso, há diversas aulas online abertas no Facebook e outras redes sociais.”, finalizou.

Quer fazer o exercício de maneira guiada? Acesse agora mesmo a prática realizada durante o Webinar, clicando aqui.

 

O QUE SÃO OS COMITÊS ABERTOS?

São encontros e periódicos entre executivos de diversos segmentos voltados para atualização, benchmark e networking. Os Comitês Abertos também são exclusivos para os nossos sócios.

PARA QUEM SÃO?

São para todos(as) os(as) associados sem limites de participantes, sendo encontros gratuitos.

COMO FUNCIONAM?

Temos cerca de 110 comitês em atividade, produzindo conteúdos presenciais* de diversos temas divididos em várias frentes de atuação, com palestras, painéis de discussão e dinâmicas com speakers especializados no tema.

*Durante a pandemia do covid-19, nossos comitês estão sendo transmitidos online aos nossos associados. Siga nosso calendário para ver datas e realizar sua inscrição e lembre-se: caso tenha perdido o Webinar pode acessar ao conteúdo na íntegra em nossa plataforma, Amcham Connect.