Transformar dados em conhecimento é etapa mais importante da inteligência competitiva

por marcel_gugoni — publicado 19/04/2012 16h27, última modificação 19/04/2012 16h27
São Paulo – Edson Ito, da SCIP, afirma que a análise de informações é crucial para gerar vantagem de uma empresa frente aos concorrentes.
edsonito195.jpg

A análise de dados é a etapa mais importante da inteligência competitiva, porque é neste momento em que a empresa é capaz de transformar suas informações, sejam de produtos, concorrentes, clientes ou outros dados de mercado, em conhecimento. Edson Ito, diretor do Board of Directors do Strategic and Competitive Intelligence Professionals (SCIP) Brasil e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), afirma que é este processo que garante a vantagem da empresa frente aos concorrentes.

Veja mais: Conhecimento é capital que mais gera competitividade, avaliam especialistas em inteligência de mercado

Ele debateu o tema com executivos da área de inteligência competitiva e moderou as palestras do seminário “Gestão da Informação e do Conhecimento”, realizado pela Amcham-São Paulo nesta terça-feira (17/04). Em entrevista ao site após o evento, ele diz que se trabalha com inteligência competitiva e gestão do conhecimento “justamente como objetivo ajudar a empresa a pensar sua meta estratégica, enxergar e entender o movimento do mercado e tomar ações que aufiram melhores resultados devido a essa vantagem competitiva”.

Veja mais: Inteligência e gestão do conhecimento são ativos estratégicos para monitorar cenários e gerar negócios

“A análise é extremamente importante, na medida em que é nessa etapa que se transformam dados em conhecimento e inteligência.” 

Veja os principais trechos da entrevista com Edson Ito:

Amcham: Qual é o grande objetivo da inteligência competitiva e da gestão do conhecimento?

Edson Ito: O mais importante é gerar vantagem competitiva. Trabalhamos com inteligência competitiva e gestão do conhecimento justamente com o objetivo de ajudar a empresa a pensar sua meta estratégica, enxergar e entender o movimento do mercado e tomar ações que aufiram melhores resultados devido a essa vantagem competitiva. Essas duas atividades ajudam a empresa a caminhar neste sentido. De certa forma, as empresas já fazem isso de forma rudimentar, mas há um caminho de sistematização, a fim de ampliar as vantagens dos competidores.

Amcham: Como as empresas podem analisar corretamente as informações que têm em mãos?

Edson Ito: A análise é extremamente importante, na medida em que é nessa etapa que se transformam dados em conhecimento e inteligência. É a parte pensante do processo. Na prática, durante todo ciclo da inteligência, você pensa nisso. Há inteligência na coleta de informações. Mas o que vai trazer vantagem competitiva é a capacidade de pensar sobre isso por meio de processos de análise bem estabelecidos. As empresas deveriam se orgulhar por ter uma área de inteligência bem estabelecida, porque mostra que elas conseguem pensar sobre seu papel e seus processos.

Amcham: Como aplicar isso na inteligência de mercado?

Edson Ito: No ciclo de inteligência, a primeira atividade que se faz é entrar em contato com o gestor. Isso implica em se comunicar, ouvir e entender a necessidade real do tomador de decisão. Depois, há a etapa de coleta. É preciso ter a capacidade de identificar as fontes primárias e secundárias e trabalhar bem com o computador, além de ter a capacidade de trabalhar com pessoas para identificar quem domina informações que podem ajudar a empresa a fim de estabelecer um bom relacionamento com elas. Na parte de análise, há 80 técnicas entre as mais usadas.

Amcham: E onde entra a qualificação?

Edson Ito: Ela é importante porque é um tipo de trabalho altamente especializado. É preciso espalhar a inteligência, disseminar os dados obtidos através desse processo. Há algo de talento pessoal nisso, mas a qualificação formal também tem bastante peso com a boa comunicação e com a parte técnica desse trabalho de análise.

registrado em: