CEO da Natura: sustentabilidade precisa fazer parte das crenças da empresa para gerar inovação

publicado 21/08/2013 10h48, última modificação 21/08/2013 10h48
Recife - Executivo participou de evento promovido pela Amcham-Recife. A Natura é a 10ª empresa mais inovadora no ranking da Forbes
alessandro-carlucci-9015.html

A sustentabilidade precisa fazer parte das crenças da empresa para ser um vetor de inovação e valor. É o que acredita Alessandro Carlucci, CEO da Natura, que participou na terça-feira (20/08) do Café com Presidente promovido pela Amcham-Recife. Apesar de recorrentes no meio empresarial e na mídia, Carlucci afirma que os temas de inovação e sustentabilidade são pouco conhecidos. “A gente aprende muito quando compartilha os desafios e dificuldades, que são grandes. Obviamente que esses temas são pouco conhecidos, pois existem altos riscos e muitas idas e vindas. Por isso é importante compartilhar o que deu certo e o que a gente ainda tem pra fazer “, diz.

 A Natura é líder no setor de vendas diretas no Brasil, com 1,2 milhões de consultores em todo o país, sendo 80 mil deles em Pernambuco, que contribuem para a disseminação dos valores da empresa. “Os nossos consumidores estão pagando pelos nossos produtos, conceitos, relações e comportamento empresarial. Nesses pilares, temos o uso sustentável da biodiversidade, buscando o baixo impacto ambiental das embalagens e fórmulas. Só pelo fato de estarmos nas vendas diretas, também agregamos valor social pela possibilidade de gerar renda, dando oportunidade para as pessoas empreenderem”, afirma o CEO.

 Ser sustentável e ao mesmo tempo lucrativa é o desafio superado pela companhia e essa é, para Carlucci, a melhor prova de que ser sustentável vale a pena. “A melhor prova disso é ter bons negócios. Se não for lucrativo, ser sustentável é perda de dinheiro. Nós somos uma empresa e precisamos gerar lucro, mas não só isso. Porém se não lucramos, ela quebra”, garante. O presidente acrescenta ainda que é fundamental ter em mente a junção desses fatores, pois se comportando adequadamente, respeitando as relações do ambiente, a reputação melhora e faz com que as pessoas pensem melhor na marca. “Nós acreditamos fortemente que ao fazer as coisas pensando nessa tal interdependência, a gente gera mais valor econômico. O que acontece com a sociedade tem impacto no ambiente e na economia. Ser sustentável não é bom apenas para reputação, mas é bom principalmente para os negócios, pois gera mais lucro e uma boa prova são os resultados da empresa”, incentiva Carlucci.

 A Natura foi recentemente listada como a 10º empresa mais inovadora do mundo pela Forbes. Só em 2012 investiu R$ 158,9 milhões, lançando 104 novos itens. A companhia é a maior fabricante de cosméticos do Brasil, com uma receita líquida anual superior a R$ 6,3 bilhões com operações também na Argentina, Chile, México, Peru, Colômbia e França.

registrado em: