Eventos esportivos e tecno-científicos podem movimentar 52 segmentos da economia, diz diretor do Rio Convention & Visitors Bureau

publicado 23/08/2019 11h00, última modificação 30/09/2019 17h54
Declaração foi feita no Breakfast in Rio, que discutiu a retomada do turismo no estado
Patrick Fehring, diretor de negócios; Gabriella Lobato Brandão Marins, presidente da BR Marinas; Simone Oliveira, gerente de produção da Globo Filmes, e Pedro Spadale, gerente executivo da Amcham Brasil no Rio de Janeiro..jpg

Patrick Fehring, diretor de negócios; Gabriella Lobato Brandão Marins, presidente da BR Marinas; Simone Oliveira, gerente de produção da Globo Filmes, e Pedro Spadale, gerente executivo da Amcham Brasil no Rio de Janeiro

O diferimento do ICMS para empresas expositoras de eventos de outros estados e a isenção do visto para americanos, canadenses, japoneses e australianos representam os primeiros passos para retomada o turismo no Rio de Janeiro. No entanto, ainda há muito para se fazer: investir em aeroportos, revitalizar diversas regiões, aumentar a oferta de hospedagem, trazer eventos, garantir a segurança e, ainda, fazer a promoção da cidade são algumas soluções apontadas por especialistas durante o Breakfast in Rio. O evento aconteceu no último dia 21, no Hotel Hilton Rio de Janeiro Copacabana, um dos maiores cartões postais da capital, com o objetivo de debater propostas para alavancar o turismo não só na Cidade Maravilhosa, como em outras regiões fluminenses.

Para Simone Oliveira, gerente de produção da Globo Filmes, a indústria cinematográfica pode e deve ser utilizada para atrair visitantes. “Existem diversos cases de aumento de turismo relacionado a filmes de sucesso, como a saga Harry Potter na Inglaterra, Sex and the City em Nova York e Senhor dos Anéis na Nova Zelândia. Produzir filmes no Brasil mostra nossa cultura, nossa beleza natural e com certeza desperta a vontade de outras pessoas quererem conhecer nosso país”, defende a palestrante.

A revitalização da Marina da Glória, feita para receber os Jogos Olímpicos de 2016, também movimentou o setor - é o que explica a presidente da BR Marinas, Gabriella Lobato Brandão Marins. “A nova infraestrutura viabilizou o surgimento do turismo náutico com empresas especializadas e barcos particulares e um aumento de 70% nos cursos de vela e mergulho e no número de restaurantes. Também conseguimos fechar um calendário permanente de eventos, como o Arte Rio e Shell Open Air. Com bom investimento e corpo de profissionais especializados, é possível sim criar oportunidades de turismo”, ressalta.

A principal porta de entrada no Rio, sobretudo para turistas estrangeiros, é o aeroporto RIOgaleão. Segundo Patrick Fehring, diretor de negócios, 5 milhões de passageiros desembarcam anualmente, entre voos domésticos e internacionais. A administração do aeroporto se esforça para aquecer o turismo de duas maneiras: “Investimos nas relações com companhias aéreas e criamos demanda, mostrando a companhias low cost oportunidades de mercado e novas rotas, que grandes empresas não cobrem. Também damos incentivos financeiros para elas, como isenção de taxas, entre outros”, explica o especialista.

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

Para Philipe Campello, diretor do Rio Convention & Visitors Bureau, a grande oportunidade para atrair mais turistas é a realização de eventos esportivos ou tecno-científicos, como congressos e seminários. “Esses acontecimentos geram muitos números e aquecem a economia. Desde a compra de passagens avião até os serviços gráficos realizados com os eventos, ao todo 52 segmentos da economia podem ser impactados”, observa. “No entanto, não é simplesmente trazer os eventos para cá – existem alguns desafios, como mobilidade urbana, burocracias, apoio dos cidadãos e órgãos públicos e segurança.”

“A realização de feiras e eventos é responsável pela maior ocupação hoteleira e é realmente nossa maior oportunidade”, corrobora Paulo Michel, diretor da Hotéis Rio. Entretanto, ele alerta para outros desafios. “Ironicamente, o Rio ainda não se assumiu como destino turístico. Apenas quando nós nos identificarmos como tal, será possível montar planos estratégicos, traçar metas e alavancar o setor”, aconselha.

MAIS SEGURANÇA E AUTOESTIMA

O Secretário de Estado da Polícia Militar, General Rogério Figueiredo de Lacerda, também esteve presente para explicar o que tem feito na segurança pública. “Além de maior policiamento nas ruas, há perspectivas de investimentos na força de trabalho e frotas. Estamos também nos organizando para cobrir intensivamente as vias expressas – Linhas Amarela e Vermelha e Avenida Brasil – que ligam o aeroporto internacional aos demais lugares da cidade.”

Para encerrar o evento, o Secretário de Estado de Turismo, Otavio Leite, deixou uma reflexão. “Quantos de vocês se lembram que o Rio é Patrimônio Cultural da Humanidade, segundo a Unesco? Precisamos resgatar nossa autoestima enquanto cariocas e nos promover. Isso também é imprescindível para retomar o turismo em nosso estado”.

registrado em: