Interação e autonomia são habilidades importantes para criar inovação, de acordo com 3M e Mandalah

publicado 24/03/2015 16h00, última modificação 24/03/2015 16h00
São Paulo – No Brasil, 3M tem cerca de 200 projetos de inovação em fase de teste
comite-inovacao-1440.html

Desenvolver inovação depende de engajamento com o público e liberdade criativa, de acordo com a agência de inovação Mandalah e a fabricante 3M. Tom Moore, sócio da agência Mandalah, disse que o mais importante é entrar em contato com os consumidores e identificar suas necessidades. “Walt Disney sempre passeava em seus parques e interagia com o público, para entender o que poderia ser melhorado”, exemplifica. Ele participou do comitê de Inovação da Amcham – São Paulo realizado na terça-feira (24/3)

Na 3M, a busca por produtos inovadores vem do contato com os clientes. “O que fazemos é tentar entender as necessidades não expressas dos clientes. Para oferecer um produto inovador, é preciso entender os mercados e os clientes. É assim que projetamos o futuro”, disse Alberto Gadioli, diretor técnico de Produtos e Serviços da 3M.

Reconhecidamente inovadora, de tempos em tempos a 3M lança um produto tão revolucionário que acaba inaugurando uma categoria de consumo. Foi assim com o Post-it – o bloquinho amarelo autoadesivo mais famoso do mundo –, a fita adesiva transparente, a esponja de limpeza sintética e outros artigos já assimilados ao dia a dia das pessoas.

O executivo comenta que o Post-it e outros 55 mil produtos da companhia são resultado de competências organizacionais como filosofia de inovação, pesquisa e constante reflexão sobre novos negócios. O portfólio de produtos é abrangente e transita entre segmentos como utilidades domésticas, farmacêuticos e componentes tecnológicos.

Como as ideias podem ser obtidas de clientes ou dos próprios colaboradores, a 3M criou um sistema de inovação em que as equipes têm autonomia para pensar e desenvolver projetos seguindo conceitos de Design Thinking, Inovação Aberta e Cocriação. Há cerca de 200 projetos em teste no Brasil, revela Gadioli.

Mandalah

Na agência de inovação Mandalah, várias técnicas são usadas para ajudar seus clientes a desenvolver novos produtos, serviços ou estratégias de negócios. Entre elas, monitoramento de redes sociais, pesquisa etnográfica, discussões de grupo e uso de benchmarks.

A interação é uma das dicas que Moore oferece a quem quer se tornar mais criativo. “É preciso se engajar emocionalmente, é preciso ter experiência em relação ao assunto pesquisado”, disse. A outra é usar a tecnologia. “As redes sociais são fontes mais colaborativas de pesquisa do que grupos fechados.”

Por último, a simplificação. Não adianta ter dezenas de insights de ideias, acredita Moore. “Trabalhar com até cinco ideias permite focar mais o trabalho.”

Mas o segredo da inovação é oferecer um ambiente estimulante para as pessoas, diz Gadioli, da 3M. “O elemento principal são as pessoas. Uma ideia pode mudar uma empresa, e por isso oferecemos um ambiente de inovação positivo para a criatividade.”

registrado em: