Seminário de Inovação da Amcham-Salvador destaca inovação como diferencial competitivo

publicado 14/11/2013 16h25, última modificação 14/11/2013 16h25
Salvador - Evento reuniu o cientista chefe do C.E.S.A.R. e representantes do BNDES e Senai
inovacao-foto01.jpg-6800.html

Ensinamento presente nas três palestras do Seminário de Inovação promovido pela Amcham-Salvador, realizado na quinta-feira (07/11), a inovação deve ser o maior investimento de uma empresa na busca por diferencial competitivo. “Atualmente, as instituições tendem a ir para o departamento da simplicidade, e isso não resolve problemas. Devemos fugir do simples, pois ele não cria diferenciais competitivos sustentáveis”, argumentou Sílvio Meira, cientista chefe do C.E.S.A.R. “O maior desafio para as empresas sempre foi resolver problemas. Empreender é resolver problemas e inovar é resolver novos problemas”.

Com o tema Construindo uma cultura de Inovação, o evento foi promovido no Salvador Shopping Business, e ainda contou com as presenças de Fernando Castilhos, diretor regional do BNDES, e Flávio Marinho, do SENAI-BA.

Ao destacar o potencial do estado que, junto com Pernambuco e Ceará, corresponde a 70% do PIB do Nordeste, Catilhos defendeu a inovação como desafio. “As empresas precisam de um processo constante de desafios, com inovação e busca contínua de diferencial competitivo”.

Segundo Marinho, o país ainda não alcançou o patamar demandado pelos países que mais investem em pesquisa e desenvolvimento. “O Brasil ainda tem um número muito baixo de pesquisadores e engenheiros, com apenas 43% de investimento em P&D vindo das empresas”, comentou. “Estamos entre os 5 principais países do mundo em produção cientifica, mas é responsável por menos de 0,2% da produção de patentes, ou seja, há uma grande produção científica, mas sem adição de valor”, continuou ele, ressaltando que a Bahia terá o maior supercomputador da América Latina com a inauguração do Centro de Supercomputação.

registrado em: