Entenda o que muda na agenda do profissional de compliance com o Covid-19

publicado 27/03/2020 09h30, última modificação 27/03/2020 16h54
Brasil – Em cenário turbulento, o compliance officer traz lucidez à tomada de decisões
Neste período, a expectativa é que os profissionais do setor sejam ainda mais requisitados, exatamente pelo risco que as organizações enfrentam nesse momento.jpg

Neste período, a expectativa é que os profissionais do setor sejam ainda mais requisitados, exatamente pelo risco que as organizações enfrentam nesse momento

Que maré calma nunca fez bom marinheiro, todo mundo sabe. Na visão de Pyter Stradioto, diretor de Compliance da Samsung, o cenário turbulento causado pelo avanço do Coronavírus vai ser um grande aprendizado para os profissionais de compliance. “Tudo está acontecendo e mudando muito rápido. Nosso papel agora é trazer calma e garantir que as decisões tomadas estejam dentro das regras para não gerar problemas futuramente”, assegura Stradioto.

O ano que já prometia muito trabalho às áreas de compliance, principalmente por causa da implantação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), trouxe uma surpresa ainda maior. Neste período, a expectativa é que os profissionais do setor sejam ainda mais requisitados, exatamente pelo risco que as organizações enfrentam nesse momento. “Dessa forma, o compliance officer deve trazer lucidez e tranquilidade, porque algumas ações podem ser bem intencionadas, mas também podem colocar em xeque anos de boa reputação e cultura empresarial”, complementa Denis Cuenca, diretor de Riscos, Compliance e Auditoria da Ultrapar.

Para Ana Paula Carracedo, Chief Risk & Compliance Officer da Votorantim, o ano também é delicado devido às eleições municipais. “Será comum que algumas empresas comecem a prestar ajuda humanitária, como doações. Isso deverá ser alvo de muita atenção e transparência para que não seja encarado como financiamento de campanha política”, destacou a executiva. “É muito desafiador porque nosso mindset estava preparado para outros tipos de desastre. É difícil virar essa chave, porque cada vida tem seu valor”, acrescenta.

Além de ser um obstáculo na adequação à LGPD, a pandemia pode atrasar outras agendas nacionais. “Acredito que as reformas econômicas sejam deixadas de lado. Tanto o governo, como a indústria e a sociedade civil terão que ser dirigentes e rápidos para tentar mitigar não só o impacto social, mas também econômico dessa pandemia e retomar o processo de crescimento o mais rápido possível”, aponta Ricardo Cabral, Regional Compliance Officer da General Motors.

Os especialistas participaram do webinar de Compliance "A agenda do profissional de Compliance, tendências e expectativas para 2020", realizado no dia 26/03.

 

PAUTAS DO ANO

Não é porque os compliance officers, assim como outros profissionais, estão focados em reduzir os riscos da pandemia Covid-19 que as outras pautas foram deixadas de lado. Treinamentos, data privacy, canais de denúncia e o combate ao assédio são os temas mais quentes da agenda dos executivos. “Existe um período de turbulência, que é o atual. Entretanto, já precisamos ter em mente o pós: vamos aprimorar nossas políticas, estabelecer e reforçar nossos controles”, exemplifica Stradioto.

“Refizemos o mapeamento de riscos e dividimos nossa agenda em três: crise, retomada e original. Já falamos da primeira agenda. A segunda é a expectativa pós-turbulência, em que o próprio mercado vai construir uma rampa de demanda de consumo e precisamos estar preparados para isso. A última são as pautas planejadas no ano passado, como a adequação à LGPD e as startups que trabalham em operação com a Ultrapar. Como esses empreendimentos nascem em um ambiente mais informal, precisamos realizar treinamentos para moldá-los de acordo com nossas políticas, diretrizes e cultura”, afirma Cuenca.

“Desde o ano passado, nós já vínhamos investindo recursos nos canais de denúncia e principalmente no combate ao assédio moral e sexual. As organizações que têm sede ou grande fluxo de trabalho pelos Estados Unidos têm endereçado bastante essa questão, devido aos últimos escândalos que aconteceram lá”, conta Cabral. “Embora essa pauta já seja robusta, queremos focar em entender melhor os dados gerados pelos canais de denúncia, para deixar de resolver os problemas individualmente e chegar às raízes deles. Antes que o problema aconteça de fato, queremos impedir”, acrescenta.

 

O QUE SÃO OS WEBINÁRIOS?

São transmissões ao vivo de bate-papos e entrevistas, exclusivos online, sobre diversos assuntos do mundo empresarial. 

PARA QUEM SÃO?

Para todos os associados, sem limites de participantes, sendo encontros online e gratuitos.

COMO FUNCIONAM?

São mais de 30 atividades online ao ano disponibilizadas em tempo real e através da plataforma Amcham Connect.

registrado em: , , ,