Prestador de serviço tem que ser especializado e entregar resultados acima da média

publicado 16/12/2013 16h39, última modificação 16/12/2013 16h39
São Paulo – No V Encontro de Empreendedores, CEO da Quality Logística diz que conhecimento é fundamental
anderson-moreira-8772.html

Foi entregando resultados superiores que a Quality Logística, de serviços de intralogística (movimentação e operação de estoques), conquistou seu espaço no mercado. “Quando se presta um serviço, é o conhecimento que faz a diferença. Se somos especialistas, então temos que entregar resultados melhores”, defende Anderson Moreira, presidente da Quality Logística.

Moreira foi um dos empresários convidados do V Encontro de Empreendedores da Amcham-São Paulo, realizado em 4/12. Ele decidiu abrir seu próprio negócio em logística há oito anos, depois de acumular experiência e cargos executivos em empresas multinacionais, enxergando na movimentação intralogística um nicho de mercado pouco explorado, porém muito atrativo.

O começo da empresa foi como consultoria, que rapidamente evoluiu para a prestação de serviços. “Há várias empresas grandes que não querem fazer movimentação de estoques, mantendo estruturas e maquinário para isso. Comecei fazendo projetos de inteligência logística e redesenho de processos, resolvendo os demais problemas à medida que apareciam”, conta Moreira.

A primeira sede da Quality surgiu em 2005 na casa de Moreira, que gerenciava remotamente 14 pessoas nos primeiros clientes. “De repente, tinha 150 profissionais trabalhando dentro do cliente”.

Para ele, o diferencial da empresa foi o de oferecer resultados baseados em redesenho de processos operacionais, geridos por equipes especializadas. “Com processos muito bem desenhados, treinamento de profissionais e liderança bem formada, há condições de fazer. Porque a entrega de resultados superiores está muito relacionada ao processo”, defende Moreira.

Toda inovação tem riscos

Moreira disse que sempre procurou oferecer soluções originais aos clientes. “Nunca paramos de ser criativos. Inovando um pouco no serviço, resolvemos fazer a manutenção de estoques com operadores e maquinário próprio, embutindo o custo de manutenção”. Uma prática comum do mercado é o de as empresas terceirizadas recorrerem a locadoras de equipamentos, o que aumenta os custos de serviços.

 O empresário decidiu absorver no orçamento a despesa com manuseio de equipamentos. “Entregamos o serviço com o custo de manutenção provisionado. Se o equipamento se desgastar acima do previsto, o prejuízo é meu. Nesse caso, o controle do processo tem que ser extremamente rígido”, descreve Moreira.

À medida que os resultados vão sendo entregues, aumenta a confiança do cliente, que acaba pedindo novas soluções. O executivo disse que os clientes começaram a pedir limpeza predial e industrial também, algo que “não fazíamos”. Até estruturar uma nova unidade de negócios responsável por essa prestação de serviços, a Quality Facilities, Moreira disse que foi necessário encontrar parceiros que entendiam do serviço.

Entender do negócio é fundamental para o crescimento sustentável da empresa. “Se a área comercial for boa, a empresa vende. Mas se eu não entregar no prazo, não vou durar no mercado”, comenta ele.

As lições de empreendedorismo

Para ter sucesso, não basta conhecer profundamente o assunto. É preciso reunir várias competências, ensina Moreira. “Uma das primeiras coisas necessárias é ter coragem de arriscar. Empreendi numa área em que me considerava especialista, até porque trabalhava há 15 anos no ramo.”

O ex-executivo lembra que, em sua época de diretor de multinacional, não se preocupava com nada muito além de suas atribuições. “Quando precisava de um carro, recebia da empresa. O pessoal de compras é que fazia isso. Se tinha que contratar 50 pessoas, o RH é quem se responsabilizava. Ao chegar minha vez de empreender, tive que resolver tudo sozinho”, recorda-se o profissional.

Reconhecendo sua falta de experiência em gestão administrativa, Moreira procurou o SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Buscar conhecimento foi fundamental, de acordo com o executivo. “Conhecer nossas incapacidades é importante, porque o que sabemos fazer é fácil. Não sabia fazer gestão financeira, então busquei entender como funcionava e trazer gente competente para o trabalho.”

Nesse período de auto-avaliação, Moreira também descobriu pontos fortes. “Uma de minhas competências é vender. Era diretor operacional de empresa, mexia com logística e operação. Mas, como empreendedor, vendo mais do que faço”, comenta ele.

registrado em: