Profissionais de TI devem ser parceiros estratégicos no direcionamento dos negócios

por marcel_gugoni — publicado 23/11/2012 17h55, última modificação 23/11/2012 17h55
Porto Alegre – Velocidade da inovação tecnológica e enorme geração de dados tornam o profissional de tecnologia figura crucial para as empresas.
comite_poa_195.jpg

O avanço cada vez mais rápido das inovações tecnológicas e fenômenos como a enorme geração de dados tornam o profissional de tecnologia da informação uma figura crucial para o direcionamento dos negócios das empresas. Um grande desafio das companhias é aproximar CEO (Chief Executive Officer) e CIO (Chief Information Officer) para transformar os desafios em oportunidades.

Veja aqui quais são as vantagens de ser sócio da Amcham

O desenvolvimento tecnológico pode ter reflexos positivos ou negativos, dependendo de como utilizá-lo, e estas novidades devem ser consideradas como parte da estratégia. “Quem nunca ficou tonto ao escolher seu novo aparelho de celular na loja?”, questiona Biagio Caetano, consultor em TI. “Imaginem [a dificuldade na tomada de decisão] na empresa”, compara ele.

Caetano participou nesta sexta-feira (23/11) do comitê aberto de Tecnologia da Informação e Comunicações da Amcham-Porto Alegre.

Um ponto desfavorável é a recorrente falta de familiaridade com termos técnicos por parte de CEOs, o que evidencia um abismo a ser vencido. Por isso a importância do profissional de TI, defende Vladimir Bidniuk, adviser da Damovo. “Não resta dúvida de que ele tem papel protagonista.”

Leia mais: Tecnologia deve deixar de ser somente um apoio operacional para sustentar o core business

De acordo com Bidniuk, esse colaborador é pode ter uma visão sistêmica e abrangente e ser capaz de transformar o negócio.

Dados e internet

A explosão do volume de produção de dados e informações, fenômeno chamado de Big Data, gera uma gama de conteúdos que podem ser um campo fértil para as instituições. O avanço é tão intenso que, já para 2015, uma medida que hoje é praticamente desconhecida passará a dar o tom do volume de informações geradas na rede – o zettabyte (ZiB) o que corresponde a um trilhão de gigabytes (GB).

Mas o que reforça a necessidade de aproximação entre CEO e profissional de TI é em que medida é preciso adotar essas mudanças. Essa nova forma de pensar passa pelo entendimento dos executivos, pelo amadurecimento da legislação e, principalmente, na renovação de gerações, em especial o ingresso no mercado da geração Z.

Redes sociais e consumo

Em meio a relatórios de vendas, por exemplo, é possível filtrar tendências de consumo dos clientes; da mesma forma como, diante de dados de estoque, racionalizar a distribuição, a logística e as compras corporativas.

As redes sociais e sites, em geral, são uma importante fonte de monitoramento sobre comentários, avaliações e feedbacks dos consumidores acerca de determinado produto ou serviço da empresa, e também de sua imagem junto ao mercado. Para os especialistas, isso mostra um potencial de reversão superior em relação aos meios tradicionais.

Quer participar dos eventos da Amcham? Saiba como se associar aqui

Bidniuk cita que, neste cenário, o social e o corporativo não podem mais ser separados. O mercado irá exigir mudanças para acompanhar o ritmo. Cada vez mais a construção da imagem, as transações, os negócios e o gerenciamento de ações passam pela questão tecnológica, em especial a internet.

Ele diz que as empresas precisam aprender a trabalhar com isso, adaptando-se a um novo mundo e criando mecanismos que possibilitem a inserção mais adequada ao ambiente. A parceria estratégica entre CEO e CIO passa por definir processos, sistemas e inovação que gerem produtividade e ajudem a antecipar as demandas não só dos colaboradores, mas dos clientes.

registrado em: