Amcham, empresários, CEBDS e ICC entregam ao ministro da Economia compromisso com o combate às mudanças climáticas

publicado 07/10/2021 19h05, última modificação 07/10/2021 19h05
Documento, assinado por 112 companhias e 14 entidades empresariais, lista ações do setor e oportunidades para o Brasil ao adotar negócios sustentáveis e uma retomada verde
Amcham, empresários, CEBDS e ICC entregam ao ministro da Economia compromisso com o combate às mudanças climáticas

Ao lado de presidentes de sete empresas, do ICC Brasil e do CEBDS, apresentamos ontem, 6/10, ao ministro da Economia, Paulo Guedes, o posicionamento “Empresários pelo Clima”, documento assinado por 112 empresas e 14 entidades setoriais no qual defendem uma economia de baixo carbono e assumem responsabilidades nessa transformação.

No encontro, o setor empresarial destacou as oportunidades geradas para o Brasil com negócios sustentáveis, como geração de emprego e renda, e como eles são essenciais para o país atingir sua meta de redução nas emissões de gases do efeito estufa. Os empresários também ressaltaram a importância do diálogo com o ministério e se colocaram à disposição para contribuir com a retomada verde da economia brasileira.

Na reunião, o presidente do nosso Conselho de Administração, Luiz Pretti, afirmou ao ministro que "o amplo apoio da liderança empresarial demonstra seu compromisso e desejo por ações efetivas e ambiciosas para assegurar ao Brasil um papel de protagonismo na agenda de sustentabilidade".  Nossa CEO, Deborah Vieitas, também marcou presença no encontro, ao lado de Pretti.

A presidente do CEBDS, Marina Grossi, relatou ao ministro a representatividade do posicionamento “Empresários pelo Clima”, demonstrando que o setor está unido no combate às mudanças climáticas. “São mais de 100 empresas e 14 entidades assumindo o compromisso de contribuir com o país no caminho para um desenvolvimento sustentável.”

A diretora executiva da ICC Brasil, Gabriella Dorlhiac, destacou que o foco da conversa foi como a pauta ambiental também é importante para a economia, como mostra o estudo “Oportunidades para o Brasil em Mercados de Carbono”, desenvolvido pela ICC. “Projetamos um potencial de geração de receitas de até US$ 100 bilhões até 2030, isso sem falar na possibilidade de criação de cerca de 8 milhões de empregos, atração de investimentos. Os CEOs fizeram questão de ressaltar a vantagem comparativa do Brasil em relação aos outros países no quesito ambiental e de sustentabilidade.”

O posicionamento será agora entregue ao ministro das Relações Exteriores, Carlos França, no próximo dia 13. Com as pastas da Agricultura e do Meio Ambiente, as reuniões estão em fase de agendamento. O objetivo é dialogar com as principais áreas do governo envolvidas nas negociações para a Conferência do Clima (COP 26), que acontecerá em novembro, em Glasgow (Escócia).

Empresários pelo Clima

O posicionamento "Empresários pelo Clima” foi uma iniciativa capitaneada pelo CEBDS, em parceria com a Amcham Brasil e a ICC Brasil e assinado juntamente com diversas empresas associadas à Amcham, incluindo: Accenture, AES Brasil, Banco BV, Cargill Agrícola S.A, Cosan, Chubb Brasil, Embraer S.A., EY, Grupo Bayer Brasil, HP Brasil, IBM, Mastercard, P&G, PwC Brasil, SKY Brasil, Schneider Electric Brasil, Votorantim Cimentos e Votorantim S.A.

Dentre as medidas propostas no documento destaca-se o apoio à proposta de mercado de carbono regulado no Brasil. O tema está em discussão no Congresso Nacional e o setor privado gostaria de ver a iniciativa aprovada antes da Conferência sobre Mudanças Climáticas da Organização das Nações Unidas (COP 26), em novembro.

posicionamento completo pode ser lido neste link.