Voluntariado empresarial precisa ser alinhado a objetivos estratégicos da empresa, defende Carolina Muller

publicado 30/03/2020 14h49, última modificação 30/03/2020 17h18
Rio de Janeiro – Assessora Executiva do CIEDS lembra que é fundamental ter indicadores para mostrar resultados de ações voluntárias
Executivos precisam de números - sem indicadores, é difícil aprovação para aumentar o orçamento para voluntariado, defendem especialistas.jpg

Executivos precisam de números - sem indicadores, é difícil aprovação para aumentar o orçamento para voluntariado, defendem especialistas (Headway on Unsplash)

De acordo com Carolina Muller, Assessora Executiva e Gestão de Projetos do Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável (CIEDS) e integrante do Conselho Brasileiro de Voluntariado Empresarial (CBVE), o voluntariado empresarial é uma forma da organização se aproximar da sociedade e vem ganhando força no Brasil há 15 anos. “Além de contribuir para a construção de uma imagem positiva, apoiar uma causa humaniza relações, envolve os funcionários, amplia as habilidades profissionais e fortalece a integração entre as equipes”, destacou. O tema foi debatido na reunião dos Comitês de Sustentabilidade e de Gestão de Pessoas no dia 27/03, através de transmissão ao vivo.

Ainda segundo Carolina, as ações de voluntariado devem ser aliadas aos objetivos estratégicos da empresa. “Não adianta planejar ações que não façam sentido para a companhia. Além disso, é fundamental que tenha um indicador para mostrar os resultados obtidos e como eles revertem para algo benéfico de fato. Os voluntários devem aprender a falar a língua do business”, ressaltou a assessora.

“A questão humanitária é importante, mas dizer que tal ação é emocionante não é o suficiente para mantê-la: os executivos precisam de números. Sem indicadores, é difícil aprovação para aumentar o orçamento para mais ações voluntárias”, acrescentou Cláudio Viveiros, Relações Institucionais da Wilson Sons e integrante do CBVE.

 

E NA PRÁTICA?

Andréa Giorgi, gerente de Sustentabilidade da Amil, contou que na companhia as ações voluntárias fazem parte do planejamento estratégico da empresa e é focada nas comunidades próximas às sedes administrativas. “Os principais pilares são saúde, educação e qualidade de vida e buscamos auxiliar no desenvolvimento sustentável desses lugares”, salientou.

Segundo Andréa, quando as ações voluntárias têm viés mais social, o primeiro passo é ouvir as lideranças comunitárias. “Muitas vezes as necessidades não demandam muito investimento financeiro, mas fazem sentido para quem estamos ajudando”, completou.

Para os especialistas em Gestão de Pessoas, o maior benefício de se dedicar ao voluntariado empresarial é o retorno em engajamento dos colaboradores. “As novas gerações não buscam um plano de carreira, mas desejam trabalhar em organizações que ofereçam propósito”, opinou Carolina Muller. “Todas as empresas deveriam começar a investir em ações de voluntariado. Elas trazem propósito para os colaboradores, que se converte em engajamento. A área não pode mais ser vista como custo, mas sim como investimento”, finalizou Cláudia Danniene Marchi, sócia e CHRO da Degoothi Consulting e líder do Comitê de Gestão de Pessoas.

“Estamos em um momento propício para falar sobre voluntariado corporativo, porque em uma crise as soluções nunca vêm apenas de uma instância. Os grupos de voluntários são essenciais neste período”, defendeu Eduardo Kantz, diretor de Sustentabilidade e Jurídico da Porto do Açu e líder do Comitê de Sustentabilidade do Rio de Janeiro.

 

RANKING DE VOLUNTARIADO EMPRESARIAL NO BRASIL

Segundo dados do Conselho Brasileiro de Voluntariado Empresarial, existem cerca de 7,4 milhões de voluntários no país. Conheça os setores mais beneficiados pelas ações corporativas, de acordo com levantamento realizado pela instituição:

- Educação e geração de renda: 66,7%

- Empreendedorismo: 46,69%

- Desenvolvimento comunitário: 46,69%

- Saúde: 40,02%

 

O QUE SÃO OS COMITÊS ABERTOS?

São encontros e periódicos entre executivos de diversos segmentos voltados para atualização, benchmark e networking. Os Comitês Abertos também são exclusivos para os nossos sócios.

PARA QUEM SÃO?

São para todos(as) os(as) associados sem limites de participantes, sendo encontros gratuitos.

COMO FUNCIONAM?

Temos cerca de 110 comitês em atividade, produzindo conteúdos presenciais* de diversos temas divididos em várias frentes de atuação, com palestras, painéis de discussão e dinâmicas com speakers especializados no tema.

*Durante a pandemia do COVID-19, nossos Comitês estão sendo transmitidos online aos nossos associados. Acompanhe o nosso calendário de atividades e participe.